Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens será inaugurado nesta quarta-feira (17), em Santana do Cariri


A Universidade Regional do Cariri (URCA) inaugura, nesta quarta-feira, 17, às 18 horas, o Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens – URCA, em Santana do Cariri. Um dos museus mais visitados da região, o espaço homenageia o seu criador, falecido em 2016. Ele foi Reitor da URCA, Professor e Diretor do museu.

Segundo o atual Diretor do museu, Sérgio Vilaça, a média de visitantes atualmente no local é de mais de 9 mil pessoas por ano. Ele destaca a importância do equipamento, voltado para a valorização, divulgação da ciência, salvaguarda e pesquisas na área Paleontologia e que nesse momento traz uma nova configuração do espaço.

Novas exposições, projetos educativos e cursos serão realizados este ano, fortalecendo ainda mais o foco de estudo, trazendo uma diversidade de opções para o Museu, na meta de atrair mais visitantes. “As pessoas sempre terão novidades e a gente pretende fazer duas exposições no ano, para a área do salão de baixo, enfocando a paleoarte, com artistas de todo o Brasil”, afirma. Dentro dessa realidade, a pretensão é realizar, ainda este ano, um colóquio na área.

Abertura de exposições

Durante a solenidade, serão abertas as exposições Fósseis do Cariri, Memorial Plácido Cidade Nuvens, e Fossilis – Olhares sobre a Chapada, integrando a arte à ciência da paleontologia e contando um pouco da história do homem e vivência no seu habitat.
A renovação do museu traz, além da nova forma de expor o acervo, de maneira facilitada ao entendimento do público em geral, as salas com exposições temáticas, a exemplo da história do fundador do museu, Professor Plácido Cidade Nuvens.

Convite à sociedade caririense

O Reitor da URCA, Professor Patrício Pereira Melo, convida a sociedade caririense para participar da reinauguração, de um dos locais mais relevantes voltados ao turismo científico regional e valorização do acervo fossilífero. São cerca de 7 mil peças que se inserem na área de exposições, além da reserva técnica do espaço, reunindo importante material do período Cretáceo, de mais de 110 milhões de anos.
Uma das perspectivas é fazer com que o museu possa estar dialogando com as escolas e a sociedade, de forma didática, e possa construir com a comunidade um novo espaço, através de uma perspectiva mais ampla de divulgação.

Interatividade e tecnologias

Sérgio Vilaça ainda destaca o grande potencial existente no Cariri a ser explorado, ressaltando que o museu chega a ser um dos principais em número de visitações. Com esse novo formato se espera chegar a uma perspectiva de alcance em termos de público ainda maior, além de promover à implementação de recursos tecnológicos, tanto nas exposições interativas como tecnologias que trabalhem a inclusão. “Virtualmente, o museu tem que ampliar a sua visibilidade e para isso está sendo construído um site interativo, e um novo perfil também nas redes sociais”, diz ele, ao ressaltar a importância de estar inserido nas redes para se colocar para o mundo.



Plácido Cidade Nuvens

Plácido Cidade Nuvens traduz cursou Teologia e Ciências Sociais na Faculdade Gregoriana, chegando ao mestrado no primeiro curso e ao doutorado no segundo. Vale ressaltar, também, sua Especialização em Português Superior na Universidade de Lisboa e Jornalismo na PRODEL, em Roma. Este último é responsável pela função que exerceu no Jornal L’ Observatore Romano como redator e revisor da edição portuguesa, tendo também trabalhado na Rádio do Vaticano.

Plácido retorna ao Brasil, após dez anos na Europa, em dezembro de 1973. Em janeiro de 1974 passa a trabalhar na Diocese do Crato, precisamente na Fundação Padre Ibiapina – FPI, dando fundamentação filosófica e teológica a ação de Promoção Humana desenvolvida pela FPI.

No Centro de Estudos, Documentação e Pesquisa – CENDEP, por iniciativa do Professor Plácido, que o livro ‘CANTE LÁ QUE EU CANTO CÁ’, de Patativa do Assaré, foi idealizado e editado em co-edição com a Editora Vozes.

Concomitante ao seu trabalho na FPI, o Professor Plácido integra uma comissão encarregada de criar o Curso de Direito do Crato. A primeira aula deste curso foi por ele pronunciada, como professor concursado para as disciplinas de Sociologia e Introdução à Filosofia. Esse curso, posteriormente, passa a fazer parte da Universidade Regional do Cariri (URCA).

Como prefeito, cria o Museu de Paleontologia e repassa para a URCA

Após dez anos de trabalho na FPI, em 1984, o professor Plácido solicita afastamento e ingressa na política como candidato a Prefeito de Santana do Cariri. Cria o museu de fósseis para, segundo suas palavras, “conter a sangria desatada de fósseis e a depredação de terrenos do patrimônio cultural.” Nessa época os melhores terrenos fossilíferos haviam sido comprados por um norte-americano para a exploração de fósseis. O Prefeito usa o seu poder político e de convencimento que resulta na doação dos terrenos para o museu. Nova preocupação surge, o risco de deixar o museu, oficialmente instituído, ao sabor da política. Resolve doar esse patrimônio a URCA para que fosse cuidado e preservado pela comunidade acadêmica. Assim ele poderia se expandir e projetar-se a serviço da cultura e da ciência.

Hoje o Museu de fósseis da URCA, desde a gestão do Prefeito Plácido, tem projeção internacional e conta com um significativo número de visitantes nacionais e internacionais. Tem recebido, com freqüência, a visita de cientistas e demais estudiosos da área de paleontologia, conforme é possível verificar no livro de registro de visitantes especiais.
Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens será inaugurado nesta quarta-feira (17), em Santana do Cariri Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens será inaugurado nesta quarta-feira (17), em Santana do Cariri Reviewed by Moisés Rolim on janeiro 17, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.