Projeto Ouro Branco resgata cultura do algodão entre os agricultores caririenses

Resgatar a cultura do algodão entre os agricultores cearenses e contribuir com o sustento das famílias agricultoras estão entre os objetivos do projeto Ouro Branco, do curso de Agronomia da Universidade Federal do Cariri (UFCA). A iniciativa, coordenada pelo professor Sebastião Cavalcante de Sousa, faz parte do Programa de Desenvolvimento Rural Sustentável do Cariri, vinculado à Pró-reitoria de Extensão (PROEX).

A intenção é promover seminários para os agricultores, em parceria com as prefeituras, a fim de mostrar as possibilidades da cotonicultura no Ceará. Além disso, de acordo com Sebastião, será feito o cadastro dos interessados em receber sementes para iniciar o cultivo. O primeiro encontro, chamado de I Seminário de Resgate do Plantio de Algodão, ocorrerá na próxima terça-feira, dia 28, em Várzea Alegre.

A ideia do projeto, de acordo com Sebastião Sousa, surgiu a partir da iniciativa da Embrapa Algodão, que já atua na revitalização da cotonicultura entre os agricultores. Além disso, o algodão tem características que se adaptam facilmente às condições climáticas e de solo do Ceará. “As chuvas no nosso Estado são irregulares. O algodão suporta a irregularidade das chuvas e o solo seco e salino”, explicou.

O professor ressalta também a importância histórica e cultural do algodão para o Estado. “O Ceará, até 1985, foi o segundo maior produtor de algodão do Brasil, perdendo apenas para São Paulo. Com a praga do ‘bicudo’, os agricultores ficaram abandonados”, disse. O incentivo ao plantio do algodão, portanto, seria uma forma de resgatar uma prática que fez parte da cultura dos agricultores cearenses por tanto tempo.

O projeto, além de manter parcerias com as prefeituras interessadas, Embrapa e Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), também conta com a atuação de quatro estudantes do curso de Agronomia. Uma delas, a estudante Aline Lorrayne Ferreira de Melo, do 7º semestre, acredita que a iniciativa é uma maneira de ir além dos conteúdos aprendidos em sala de aula. “A gente estuda muito, mas nem sempre sai para ter experiência com o agricultor. Eu aprendi muito conversando com eles”, disse.

Os estudantes também têm a possibilidade de receber, pela Embrapa, o nivelamento em Manejo de Solo, Manejo de Pragas, Manejo Cultural e Manejo pós-colheita, para ficarem habilitados a ministrar palestras aos agricultores.

Histórico das atividades

O projeto Ouro Branco iniciou em 2016 e contou inicialmente com conversas com as prefeituras de Várzea Alegre, Icó, Iguatu, Acopiara e Altaneira. Este ano, foram feitas visitas técnicas a uma área de algodão plantado em Iguatu na Embrapa e à Usina da família Rufino em Acopiara. O projeto também participou da ExpoIguatu, despertando interesse dos agricultores do entorno. Além disso, a Embrapa doou para o Ouro Branco 25 kg de sementes da variedade BRSAroeira, resistente à seca, que renderam a plantação de 1 hectare e meio de algodão.

“Plantamos no espaço de dois agricultores em Várzea Alegre. As sementes dessa plantação vão servir para plantar outros 200 hectares”, destacou o professor Sebastião.

Benefício para agricultores

De acordo com Sebastião, a intenção é que os agricultores participantes do projeto possam vender todo o algodão produzido para a usina. “Eles podem faturar, em média, R$ 6 mil reais em um hectare plantado, utilizando mão de obra familiar”, frisou. Chegando à usina, todo o algodão é aproveitado, da pluma à semente. A estudante Aline Lorrayne explicou que a pluma tem diversos usos em hospitais, clínicas estéticas, em casa e também na fabricação de tecidos. Já a semente pode ser utilizada para fazer ração animal e extrair o óleo.

Foto: Fábio Aquino

Projeto Ouro Branco resgata cultura do algodão entre os agricultores caririenses Projeto Ouro Branco resgata cultura do algodão entre os agricultores caririenses
Reviewed by Moisés Rolim on novembro 27, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.